• Ana Rita Silva

Desperdício alimentar – o desafio

O desperdício alimentar é uma questão global importante e preocupante que tem consequências a diferentes níveis, tais como segurança alimentar, ambiental, economia, entre outros. Na UE, são gerados anualmente cerca de 88 milhões de toneladas de resíduos alimentares.


As estimativas mais recentes do estudo dos níveis europeus de resíduos alimentares revelam que 53% dos resíduos alimentares da UE surgem no agregado familiar, seguindo-se o processamento (19%) e a produção (11%).


Os resíduos alimentares produzidos anualmente têm custos associados estimados em 143 mil milhões de euros. No entanto, o desperdício de alimentos não é apenas uma questão ética e económica, mas também esgota o ambiente de recursos naturais limitados.

Os estudos realizados por Fusions, 2016, mostram que as famílias têm um papel determinante no nosso futuro colectivo. No entanto, estima-se que 1/3 dos alimentos produzidos não chega ao seu destino - o consumidor. O desperdício alimentar começa muito antes do consumidor e do que ele desperdiça em casa. Começa na produção, o que representa um "absurdo económico" e tem enormes impactos ambientais e sociais.


A agricultura tem também um papel importante na redução dos resíduos alimentares e do paradigma ambiental - alterações climáticas, seus efeitos e a preservação da biodiversidade e dos recursos naturais. Deve também notar-se que cada vez que desperdiçamos alimentos, não são apenas os alimentos que são descartados, mas também os vários recursos utilizados, tais como a água e os factores de produção - que são actualmente muito escassos.

Temos de estar conscientes da importância da questão da perda e desperdício de alimentos, a fim de promover e implementar os nossos esforços globais para a abordar. A este respeito, já foram adoptadas em todo o mundo medidas, projectos e acções para combater os resíduos alimentares. Durante este artigo, serão apresentados alguns exemplos.

Plataforma da UE sobre Perdas e Resíduos Alimentares

Por exemplo, foi desenvolvida uma Plataforma da UE sobre Perdas e Resíduos Alimentares que desempenha um papel fundamental na mobilização de acções para reduzir as perdas e resíduos alimentares em toda a UE como parte da Estratégia "Da Exploração Agrícola até à Mesa". Além disso, a Comissão Europeia e os países da UE estão empenhados em cumprir o Objectivo de Desenvolvimento Sustentável (SDG) 12.3, adoptado em Setembro de 2015 e a comissão lançou um desafio aos seus membros - reduzir para metade os resíduos alimentares até 2030.


Isto implica um esforço muito grande de todas as partes, desde aqueles que produzem e processam alimentos (agricultores, fabricantes e processadores de alimentos) até àqueles que disponibilizam alimentos para consumo (sector hoteleiro, retalhistas) e aos próprios consumidores, tentando tornar o sistema alimentar mais justo e mais sustentável. Os vários membros da UE também já adoptaram acções mais específicas para reduzir o desperdício alimentar nacional.

Bons exemplos de redução de resíduos alimentares

Para evitar tanto quanto possível este desperdício, a cadeia alimentar deve ser planeada e adaptada, combinando factores como a oferta e a procura, respondendo à mudança de gostos e preferências dos consumidores. Por exemplo, o Instituto de Recursos Naturais da Finlândia (LUKE) publicou um roteiro de redução e monitorização dos resíduos alimentares, abrangendo regulamentação, mudanças de práticas, educação, etc. O objectivo é tornar os tópicos deste roteiro e as medidas adoptadas disponíveis a todas as partes interessadas e reforçar a cooperação na cadeia de abastecimento alimentar.


Além disso, a fim de obter dados fiáveis e actualizados sobre perdas e desperdícios alimentares na Polónia, está a ser realizado um projecto intitulado "Desenvolvimento de um sistema de monitorização de alimentos desperdiçados e de um programa eficaz para racionalizar as perdas e reduzir os desperdícios alimentares".


Na Alemanha, a Ministra Federal da Alimentação e Agricultura, Julia Klöckner, no âmbito da Estratégia Nacional para a Redução de Resíduos Alimentares, apresentou os certificados de financiamento concedidos a fóruns de diálogo que permitem o intercâmbio de informações e experiências, bem como a preparação de objectivos. Além disso, ao demonstrar exemplos relevantes de explorações agrícolas e empresas, serão identificadas, testadas e avaliadas medidas para a redução de resíduos alimentares.

Outro tópico importante para reduzir os resíduos alimentares e resultar em 10% dos resíduos alimentares na UE é a falta de conhecimento sobre as datas de validade. Um inquérito realizado pela Agência de Protecção Ambiental irlandesa (EPA), durante Novembro de 2020, descobriu que 68% dos cidadãos irlandeses dizem que "passar as datas de validade" é a principal razão pela qual deitam fora os alimentos em casa.


Consequentemente, a EPA conduziu a campanha nacional de sensibilização "Coma ou congele" para informar os cidadãos irlandeses que, ao comerem ou congelarem alimentos até à sua data de "utilização até", podem fazer os seus alimentos ir mais longe, poupar até 700 euros por ano, e evitar o desperdício de alimentos.


A este respeito, os Países Baixos também iniciaram um projecto que explica melhor as diferentes marcações de datas nas embalagens. Também, nos Países Baixos, em Janeiro de 2021, a Universidade & Investigação de Wageningen iniciou uma investigação para determinar o impacto das diferentes indicações visuais para melhorar a compreensão do consumidor e a utilização da marcação de datas para evitar o desperdício de alimentos.

A educação é a chave

Além disso, o desperdício alimentar é um conceito que deve estar presente na consciência de todos nós, enraizado nas sociedades, e isto começa com a comunicação desde cedo, o esclarecimento sobre certas questões e a adopção de práticas que o minimizem - alerta para os recursos escassos e apelo ao consumo de produtos frescos, sazonais e pouco processados, o que irá melhorar a economia local e poupar recursos. Há frequentemente pouca comunicação sobre o que fazer com os resíduos alimentares para o consumidor, empresas, e cadeias de abastecimento.

A este respeito, em 2019, a 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas designou o dia 29 de Setembro como Dia Internacional de Sensibilização para a Perda e o Desperdício de Alimentos, reconhecendo o papel crucial que a produção alimentar sustentável desempenha na promoção da segurança alimentar e da nutrição, bem como no combate à fome e às alterações climáticas.


Além disso, em Janeiro de 2021, na Dinamarca, o movimento Stop Wasting Food lançou uma campanha nacional de comunicação social intitulada "Poupe o seu dinheiro e poupe os seus alimentos em Janeiro". A campanha promoveu um extenso guia destinado a inspirar os cidadãos com dicas sobre como utilizar todos os seus alimentos no contexto do Covid-19, como armazenar adequadamente os alimentos, e como planear melhor as porções.


Foram também desenvolvidas aplicações, tais como a aplicação "To good to go", com o slogan "Save food, help the planet" que lhe permite comprar grandes alimentos que de outra forma iriam para o lixo a preços incríveis. Too Good to Go já tem quase 700 Waste Warriors que impedem que alimentos de qualidade acabem todos os dias no lixo. Para além de comprar alimentos a preços muito acessíveis, está a preservar o ambiente, reduzindo o desperdício alimentar e as emissões de CO2.

Juntos contra o desperdício alimentar

Algumas empresas juntam-se para obter milhões de toneladas de alimentos seguros em todo o mundo, que foram descartados. Por exemplo, a Boroume estabelece parcerias com empresas alimentares ao longo da cadeia de abastecimento alimentar para poupar e doar alimentos excedentários a organizações caritativas.


Entre os doadores de alimentos encontram-se empresas como a AEGEAN, a maior companhia aérea grega e membro da Star Alliance, que tem sido um doador constante de alimentos, poupando e doando alimentos como parte das suas operações diárias. Desde o surto da pandemia, a Boroume foi chamada a gerir a doação de mais de 700.000 porções de alimentos, que infelizmente não puderam ser distribuídas pela companhia devido à suspensão de muitos voos.


Também em França, os Bancos de Alimentos fazem parcerias com clubes de futebol para combater o desperdício de alimentos. Os eventos desportivos geram grandes quantidades de desperdício de alimentos. Após cada jogo, os voluntários do Banco de Alimentos vão aos estádios para recolher alimentos não vendidos e redistribuí-los às pessoas necessitadas. Graças a esta parceria, mais de 22 toneladas de alimentos já foram oferecidas a pessoas carenciadas.


O Movimento Re-food baseia-se nos mesmos pilares, trabalhando para eliminar o desperdício de alimentos e a fome em todos os bairros. Nasceu em Portugal e agora o interesse já é internacional, com pessoas ou equipas a trabalhar em cidades próximas e a levar os benefícios do modelo de Re-food às suas cidades.


Também em Portugal, o movimento "Unidos contra o desesperdício", foi criado com o objectivo de alertar as pessoas para os desperdícios alimentares ao longo de toda a cadeia.

O combate ao desperdício alimentar é uma preocupação de todos, e juntos podemos fazer a diferença.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo