Porque a aquaponia assume uma vital importância nos dias de hoje

Estamos perante a emergência de uma nova crise alimentar. Desde os fertilizantes aos combustíveis para as máquinas agrícolas, as matérias-primas e subsidiárias que alimentam o setor agrícola mundial estão a revelar-se escassas.



Qual a importância de tudo isto? Esta escassez, iniciada há cerca de 2 anos e originada por um conjunto de fatores geopolíticos globais que se foram desenrolando ao longo destes últimos meses, impõe uma enorme pressão sobre a agricultura e geram maior dificuldade para os agricultores desempenharem a sua nobre função de alimentar o mundo. A consequência já visível é a de uma pressão ascendente sobre os preços globais dos alimentos. Em alguns países, como os EUA, os preços dos alimentos já sobem a um ritmo mais rápido de que há registo (um salto recorde de 13% só no mês passado). Os preços em Portugal também estão a começar a subir, já visível no pescado e nos cereais.


As medidas políticas justificadas pela pandemia provocaram um desabastecimento de matérias-primas, ingredientes e alimentos, ao que se juntou a emissão de moeda a dimensões nunca vistas. Tais factos levariam inevitavelmente à inflação, tal como proferido por diversos analistas económicos. Agora, a guerra entre a Rússia e a Ucrânia – acrescendo os confinamentos Covid nas províncias agrícolas da China, coincidindo com o incêndio de várias grandes unidades de processamento alimentar nos EUA – estão a precipitar a situação, agravando o que já era grave. A China está a comprar milho, trigo e soja em quantidades recordes, facto originado pelo medo da escassez alimentar, que historicamente atormentou este país ao longo do seu longo passado.


As cotações de preço do trigo e do milho subiram mais de 19% no mês passado, com a guerra e as sanções a esmagar a oferta da região chave do Mar Negro. Os alimentos básicos estão a escassear, enquanto campos de trigo ucranianos são bombardeados e os portos de embarque críticos permanecem fechados.


As exportações da Ucrânia e da Rússia, que correspondem a cerca de um quarto do comércio mundial de grãos, estão praticamente bloqueadas, gerando preocupações com a escassez alimentar. Os dois países são atores chave em várias indústrias à escala global, como chips para computadores e eletrónica, óleo de girassol, grãos, petróleo e madeira. A Ucrânia produz algo em torno de 70-90% do gás néon do mundo, que é um componente vital dos microchips utilizados para fabricar smartphones e ecrãs de computador. A Rússia é responsável por 13% das exportações mundiais de petróleo bruto, o que significa que qualquer coisa que exija transporte em qualquer estágio da produção – quase tudo – sofrerá impacto.


Estamos já a ver os preços dos alimentos básicos a aumentar em Portugal e os vários fatores mencionados anteriormente continuarão a pressionar os sistemas agrícolas e as cadeias de abastecimento.


A maior fonte de fertilizantes para a agricultura convencional é a amónia fabricada quimicamente (amónia é um composto azotado com a fórmula NH₃). Seja quimicamente fabricada ou gerada a partir das excreções naturais de vacas, galinhas, porcos ou outras fontes, todos esses fluxos originam a amónia que fornece os nutrientes que viabilizam a produção da nossa oferta alimentar.

Porquê a Aquaponia?

Um dos fatores diferenciadores exclusivos da aquaponia é a fonte da amónia que utilizamos nesta técnica de produção – Peixes (para consumo alimentar). Através das suas brânquias e dos seus resíduos, os peixes geram naturalmente amónia, introduzindo-a num virtuoso ecossistema local circular e totalmente fechado, chamado Aquaponia. A amônia gerada pelos peixes é convertida em fertilizante disponível para as plantas através do processo de nitrificação, desenvolvido por microrganismos. Este processo, então, devolve água limpa aos peixes, sendo continuamente reciclada pelas plantas.


Este é o momento de apostar na aquaponia, quer a uma escala comercial, quer doméstica, garantindo-se, assim, uma fonte de alimentos contínua, saudável e de confiança para a sua família.


A aquaponia pode ser feita a qualquer escala, desde um pequeno sistema de cozinha ou de quintal, até uma grande unidade produtiva em estufa. O formador de aquaponia do Food4Sustainability já formou centenas de pessoas em vários países, nesta arte inteligente e naturalmente bem-sucedida da aquaponia.

Venha aprender com o nosso workshop “AQUAPONIA – Introdução a Princípios e Práticas”, a ocorrer no fim-de-semana de 18 e 19 de junho, em Torres Vedras, Portugal. Saiba mais aqui!



55 visualizações0 comentário