• Rita Bernardo

Projeto AlimentAÇÃO apresenta boas práticas

Aconteceu no dia 24 de maio, em formato misto via webinar e nas instalações do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), a apresentação publica dos resultados do projeto AlimentAÇÃO e debate sobre Políticas Públicas Locais para o direito à alimentação adequada.


O projeto AlimentAÇÃO surge na continuidade da Campanha AlimentAÇÃO, criada em 2018 e promovida pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) visando aprofundar as questões relacionadas com os Circuitos Curtos Agroalimentares (CCA).


A promoção de CCA surge como uma abordagem de suma importância na realização do Direito Humano a uma alimentação adequada, sendo que por adequada se entende suficiente, nutritiva, saudável e culturalmente adequada. Surge ainda com uma importante estratégia na promoção do desenvolvimento nos territórios rurais, contribuindo para a dinamização das economias locais, no abastecimento de produtos saudáveis e numa abordagem alimentar mais sustentável.


O projeto per si não visa resolver os problemas dos municípios, mas apoiar um processo de reflexão e diálogo entre os atores locais que permita a construção de conhecimento e formulação de políticas publicas, bem como mecanismos de governança e instituições mais adequadas, tendo por grupos-alvo entidades do poder local, instituições publicas, organizações da sociedade civil e outros agentes do território rural.


Neste sentido, foram vários os municípios aderiram ao projeto, e estiveram presentes neste evento nomeadamente Fundão, Idanha-a-Nova, São Pedro do Sul, Tavira, Torres Vedras e Vinhais. Fazem ainda parte do projeto as associações ANIMAR- Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Local, ACTUAR – Associação para a Cooperação e Desenvolvimento, o Colégio 3F e a FAO.


Durante a apresentação, os vários Municípios tiveram a oportunidade de apresentar o diagnóstico às suas realidades bem como as estratégias adotadas por cada um na abordagem aos circuitos curtos agroalimentares.


Foi possível verificar que foram várias as estratégias implementadas, de acordo com a realidade de cada território, que passaram pela promoção da dieta mediterrânica, envolvendo a produção e a restauração locais, a par da educação alimentar (Tavira), por projetos locais de consumo de produtos biológicos nas cantinas escolares e na intervenção comunitária junto das crianças (Torres Vedras e Fundão), à promoção de produtos locais e na criação de uma resposta mais organizada ao nível do turismo e da restauração (Idanha-a-Nova, Vinhais e São Pedro do Sul).


Idanha-a-Nova que foi a primeira Bio Região em Portugal, comprometeu-se desde cedo a trabalhar e promover as suas potencialidades de forma articulada, diferenciadora e sustentável, numa lógica de multifuncionalidade.


Profundamente alinhado com as estratégias europeias, o Município pretende continuar a contribuir para a criação de sistemas alimentares sustentáveis, reduzir a pegada ambiental nos sistemas alimentares, reforçando a sua resiliência e contribuindo simultaneamente para uma alimentação mais saudável e o desenvolvimento do território. Para esta matéria o Município contará com a colaboração do Food4Sustainability, uma vez que são estes os pilares basilares da sua atuação.


Para finalizar o evento foi apresentado o Guia 'Construir políticas públicas locais e Circuitos Curtos Agroalimentares para realizar o Direito Humano à Alimentação Adequada', que será divulgado em breve. Neste, são enunciadas boas práticas de Circuitos Curtos Agroalimentares (CCA) em Portugal, contendo um conjunto de recomendações para a melhoria e criação das políticas públicas correspondentes.




15 visualizações0 comentário