Quarto meses para recordar - um estágio no F4S

Olá! O meu nome é Jill, sou da Alemanha e estudo Gestão Global de Projetos e Mudanças na Holanda. No ano passado, estava à procura de uma oportunidade para trabalhar dentro do sistema alimentar e aprender mais sobre agricultura regenerativa quando encontrei o Food4Sustainability online. Candidatei-me a um estágio e comecei a trabalhar no Food4Sustainability CoLAB em Fevereiro de 2022. Cheguei à pequena vila de Idanha-a-Nova onde o CoLAB tem a sua sede. Não falava português e não tinha bem a certeza do que esperar. Felizmente, os meus colegas da F4S organizaram uma pequena reunião de boas-vindas e bebemos uma cerveja juntos (Super Bock, claro).


Embora a maioria dos membros da equipa trabalhe remotamente e esteja localizada em diferentes partes do país, conheci os que vivem na zona, e saímos para almoçar juntos e partilhámos boleias de carro até ao escritório. Através das reuniões semanais de equipa realizadas através do MS Teams, fiquei a saber em que é que todos estavam a trabalhar e quais os projetos que estavam a surgir. Dessa forma, pude ligar-me aos diferentes membros da equipa e saber mais sobre os projetos em que estava interessados. Após algumas semanas de adaptação e de conhecer a equipa, a estrutura da organização e a cultura portuguesa, comecei a sentir-me confortável com as minhas tarefas e com a vida na vila.


Vivendo em Idanha, no interior de Portugal, que está rodeado de terras agrícolas, a urgência e a importância do trabalho que o F4S está a fazer é claramente visível. A seca relacionada com o clima quente da Primavera deste ano mostrou os efeitos diretos das alterações climáticas. De facto, 97% do país enfrenta graves riscos de desertificação e é classificado como "seca grave" pelo serviço meteorológico nacional (Pólo, 2022). Segundo o Tribunal de Contas Europeu (2018), os países do sul da Europa, incluindo Portugal, são vulneráveis a problemas tais como menor produção de alimentos, infertilidade do solo, diminuição da resiliência natural e redução da qualidade da água devido às alterações climáticas e à atividade humana.


A mudança para uma maior sustentabilidade e resiliência é necessária, especialmente na agricultura, uma vez que o setor está dependente e fortemente influenciado pelo clima e pelo clima. O F4S trabalha em conjunto com agricultores e produtores em vários projetos e está sempre a tentar mudar a mentalidade da agricultura convencional para práticas mais sustentáveis e regenerativas, já que esta é uma forma de combater as consequências das alterações climáticas e aumentar a resiliência.


Além de algumas tarefas de gestão de projetos, o meu trabalho no F4S foi ajudar na organização de um ciclo de webinars sobre práticas sustentáveis na agricultura e no sistema alimentar. Estava a contactar potenciais oradores e a planear reuniões exploratórias com eles para discutir sinergias e as possibilidades de colaboração. Isto permitiu-me entrar em contacto com muitas pessoas inspiradoras e aprender sobre empresas e organizações internacionais que trabalham no tópico da agricultura regenerativa. Foi verdadeiramente emocionante, e fiquei tão inspirada que decidi experimentar o WWOOFING este Verão, depois de terminar o meu Bacharelato. WWOOFING é uma plataforma onde os voluntários se podem ligar aos agricultores e produtores biológicos para trabalharem em conjunto e aprenderem sobre métodos sustentáveis na agricultura. Depois de ouvir muito sobre agricultura regenerativa através das ligações aos oradores, bem como nas apresentações nos webinars e de a ouvir na execução dos outros projetos na F4S, eu própria quero experimentar o trabalho numa quinta. Gostaria de ver as práticas e sujar as minhas mãos. Penso que isto me ajudará a aprofundar os meus conhecimentos e a inspirar-me para o meu futuro.


Além disso, tive a oportunidade de me juntar à equipa da F4S na viagem a Almería, em Espanha, para o projeto Transfarmers. Transfarmers é um projeto Erasmus+ que visa ligar agricultores e produtores portugueses e espanhóis para partilhar conhecimentos, construir uma rede e discutir desafios para promover práticas sustentáveis na produção. Passámos algumas horas num autocarro juntamente com vários produtores e investidores de todo o país para nos encontrarmos com produtores de amêndoas em Espanha e falar com a associação parceira AlVelAl para saber mais sobre o seu trabalho e ver como os agricultores utilizam práticas regenerativas nas suas terras. Foi uma grande experiência ver que diferentes técnicas são utilizadas nas explorações agrícolas e como testam e implementam cada vez mais práticas regenerativas. Aprendi também que a agricultura não é fácil, especialmente nas condições com que os agricultores aqui em Portugal e Espanha se vêem confrontados. Para além disso, houve alguns momentos de discussão em que foram respondidas perguntas, e foram discutidos desafios e oportunidades. Foi uma valiosa troca de conhecimentos que não só abordou os benefícios da agricultura regenerativa, mas também os problemas e as possíveis soluções para os ultrapassar. Foi inspirador e tenho a certeza de que todos aprenderam alguma coisa.


Além disso, estava a fazer investigação para a minha tese de licenciatura sobre o tema de dietas saudáveis e sustentáveis entre os estudantes universitários em Portugal. Nutrição, saúde e bem-estar pertencem também a um dos pilares em que o F4S está a trabalhar. Por conseguinte, eles tinham muitas ligações a especialistas que eu podia entrevistar. Realizei um total de dez entrevistas com nutricionistas, empresas de serviços alimentares, retalhistas, docentes e investigadores de diferentes universidades. Para além disto, desenvolvi um inquérito para que os estudantes aprendessem mais sobre os seus hábitos alimentares e a sua perspetiva sobre o tema. Um total de 34 estudantes de diferentes universidades de todo o país responderam ao inquérito. Depois de analisar os dados que recolhi, cheguei à conclusão de que os estudantes, bem como as universidades, têm uma compreensão básica da sustentabilidade, das questões ambientais e dos impactos da alimentação na saúde, mas que ainda não se traduzem na vida quotidiana. Há muitos desafios a ultrapassar para melhorar as dietas dos estudantes. Os principais que surgiram várias vezes são fatores económicos e a abordagem centrada na carne da alimentação. Ao mesmo tempo, as universidades e os seus estudantes estão abertos e dispostos a mudar e a implementar intervenções que possam apoiar o desenvolvimento de ambientes alimentares saudáveis e sustentáveis.


Ao longo do meu estágio, tive a sorte de experimentar a hospitalidade portuguesa e também tenho de agradecer a todos da equipa do F4S pelo seu grande apoio e ajuda. Uma coisa que falhei durante este tempo foi aprender português. Para além de algumas palavras e frases, não sou capaz de falar e compreender esta língua. Isto também foi um pouco uma barreira durante a minha vida em Idanha, por vezes tive de falar com as mãos e um pouco de espanhol que conheço da escola ou agarrar uma pessoa mais jovem que fosse capaz de traduzir para mim. No entanto, encontrei o meu caminho e apreciei os encontros que tive com os habitantes da aldeia, apesar de não nos entendermos um ao outro. Em relação a isso, tive uma experiência engraçada quando tive um problema com a minha bicicleta. Um dos parafusos por baixo da sela soltou-se e eu não tinha uma chave de fendas em casa para a arranjar. Por isso, fui ao posto de combustível e tentei explicar o problema ao tipo do balcão do dinheiro. Claro que ninguém lá falava uma palavra de inglês, por isso mostrei-lhe a bicicleta. De repente, tinha cinco pessoas à minha volta a tentar encontrar uma chave de fendas que encaixasse para apertar o parafuso. Um dos tipos estava à procura na caixa de ferramentas na parte de trás do seu carro, o outro foi à loja próxima para lá perguntar. No final, encontraram uma e arranjaram o parafuso, eu disse "Muito obrigada" e todos ficaram contentes e riram-se.


Tive alguns desses pequenos momentos durante os últimos quatro meses e eles fizeram-me apreciar a hospitalidade portuguesa e a vontade de ajudar. O mesmo foi representado na equipa do F4S. Todos me apoiaram e tentaram ajudar onde podiam. Conhecer a cultura e o estilo de vida portugueses, bem como todas as perceções que obtive do trabalho no F4S, foi verdadeiramente inspirador. Continuem o bom trabalho! Obrigada.




5 visualizações0 comentário